sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

Marcão vai cobrar informações sobre andamento de obras em Campos

Marcão vai cobrar informações de obras (foto: Valmir Oliveira)

“Na época da campanha, o governo prometeu muita coisa. Existem promessas de 2008, antes do primeiro mandato da prefeita Rosinha (PR), que não foram cumpridas”, afirmou o vereador Marcão Gomes (PT), ao comentar sobre a paralisação das obras de construção da Vila Olímpica do Parque Cidade Luz. 

Como mostrou a Folha da Manhã em matéria publicada nessa quinta-feira (23), a construção foi uma promessa feita pela prefeita de Campos em abril de 2012, durante a solenidade de inauguração do conjunto habitacional Morar Feliz do Parque Aldeia. No entanto, o sonho de um espaço destinado à recreação e à prática esportiva continua só no papel, sem prazo para ser concretizado. O vereador petista afirmou que após o recesso legislativo irá cobrar informações referentes ao andamento de todas as obras no município. 

Segundo Marcão, obras em creches escolas não estão no ponto que deveriam estar e isso tem acontecido também com outras construções. “Vou averiguar o andamento de obras de creches, escolas, vilas olímpicas, UBSs, o hospital São José e a famosa Cidade da Criança, que não se sabe quanto está custando para a população, já que teve vários aditivos. Existe uma grande diferença entre o cronograma físico e o cronograma financeiro dessas obras. Há uma grande divergência”, pontuou Marcão, que informou que cobrará informações das secretarias de Obras e Urbanismo e de Administração. 

Segundo a placa da construção da vila olímpica do Cidade Luz, a empresa responsável é a Angemar Mult Com. e Empreendimentos Ltda. e a obra foi orçada em R$ 2.429.258,86. 

A equipe de reportagem tentou contato por telefone com três vereadores da base governista — Neném (PTB), Kellinho (PR) e Dayvison Miranda (PRB) —, mas não obteve êxito. Já a Prefeitura de Campos, através da secretaria de Comunicação Social, foi questionada sobre os novos prazos para conclusão da obra e os motivos que levaram à paralisação. Até o fechamento da edição não houve resposta. 

por Arnaldo Neto - Jornal Folha da Manhã

MEGAOPERAÇÃO DA EDUCAÇÃO

livros O Ministério da Educação (MEC) vai entregar mais de 150 milhões de ‪#‎LivrosDidáticos‬ até o final de fevereiro, para escolas de todos municípios de todo o Brasil. 

Ao todo, 147 mil instituições públicas de ensino receberão o material necessário para o ano letivo de 2015. A iniciativa faz parte do Programa Nacional do Livro Didático (PNDL). 

A operação de entrega começou em outubro de 2014 e irá beneficiar 37 milhões de alunos dos ensinos fundamental e médio.

Até o momento, mais da metade dos livros didáticos já chegaram às escolas das zonas urbanas e nas secretarias municipais de educação. No caso das instituições localizadas na zona rural, a 
redistribuição é de responsabilidade da prefeitura.

Os Correios são responsáveis pela entrega dos livros didáticos da rede pública há 21 anos. Para  tanto, são feitas mais de 120 mil viagens para atender a todos os municípios brasileiros. O transporte da carga é realizado por caminhões, vans, aviões e barcos.

AG.PT

quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

Inscrições para o Sisu terminam nesta quinta-feira

A menos de dois dias do fim do período de inscrições para a chamada única do Sistema de Seleção Unificada (Sisu), o Ministério da Educação orienta os candidatos a não deixar para entrar no sistema na última hora. As inscrições vão até as 23h59 (horário de Brasília) desta quinta-feira (22).
No terceiro dia de inscrições, o Sisu registrou 2.265.066 inscritos, até às 15h. O Sisu seleciona candidatos a vagas na educação superior pública, com base nas notas obtidas no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

Nesta primeira edição de 2015, o Sisu oferece 205.514 vagas, em 5.631 cursos de 128 instituições públicas de educação superior. As inscrições vão até as 23h59 (horário de Brasília) desta quinta-feira (22).
A inscrição, nesta edição, está restrita ao estudante que tenha participado do exame em 2014. Fica impedido de se inscrever aquele que tenha tirado zero na prova de redação.

terça-feira, 20 de janeiro de 2015

Professor sem graduação pode se inscrever em licenciaturas

Começa nesta terça-feira (20), o período de pré-inscrição de professores da educação básica em cursos de licenciatura específicos para educadores das redes públicas que ainda não possuem graduação e para aqueles que precisam complementar a formação.
São 710 vagas, das quais, 500 para primeira licenciatura e 210 para segunda licenciatura, ofertadas pelo Plano Nacional de Formação de Professores da Educação Básica (Parfor) presencial, do Ministério da Educação.
A pré-inscrição deve ser feita até 13 de março na Plataforma Freire e as aulas iniciam no segundo semestre. Os cursos especiais para a formação de professores da educação básica são criados e ministrados por universidades públicas.
A Universidade Federal da Bahia (UFBA), por exemplo, anunciou a oferta de 280 vagas para primeira licenciatura em matemática, história, ciências biológicas, geografia, letras vernáculas, química e pedagogia. Cada curso terá 40 vagas. Na UFBA, as aulas serão ministradas em módulos de uma semana por mês, em horário integral de segunda-feira a sábado.

Etapas
A oferta de cursos, turmas e vagas no Parfor obedece a uma dinâmica com três fases em sequência: as redes públicas e os institutos federais de educação profissional informam o número de vagas que suas redes precisam; as instituições de ensino superior, que participam do plano, definem e informam a oferta de cursos e de vagas; e os educadores fazem a pré-inscrição na licenciatura que pretendem cursar. Todo o processo é realizado na Plataforma Freire.
Concluído o período de pré-inscrição dos professores, as secretarias de educação e os institutos federais analisam se os requisitos foram atendidos pelos pré-inscritos. Se a inscrição é validada, o professor garante a vaga na licenciatura.
Para ocupar as vagas da primeira licenciatura, o professor precisa atender a diversos requisitos: estar vinculado a uma rede pública estadual, municipal ou do Distrito Federal; no exercício da atividade do magistério; não ter curso de licenciatura.
A carga horária mínima é de 2.800 horas, das quais, 400 horas de estágio supervisionado. O curso tem duração de quatro anos.
Já o educador com graduação em área diferente daquela em que leciona precisa estar há pelo menos três anos na rede pública, para fazer a segunda licenciatura. Esse curso tem carga horária de 800 horas a 1.400 horas e duração entre dois anos e dois anos e meio.
O Parfor também oferece formação pedagógica para docentes graduados não licenciados, em exercício da docência nas redes públicas. Essa formação complementar é de 540 horas, ministrada durante um ano.

Parceria
Os cursos são gratuitos para todos os professores. O custeio é de responsabilidade da Coordenação de Aperfeiçoamento do Pessoal de Nível Superior (Capes), que repassa recursos para as instituições responsáveis pela formação, supervisão de estágio e certificação.
Cabe às secretarias de educação assegurar aos cursistas material escolar, transporte, hospedagem e alimentação durante o processo de formação.
Em vigor desde 2009, o Plano Nacional de Formação de Professores da Educação Básica abre todos os anos turmas especiais em cursos de licenciatura e em programas de segunda licenciatura, na modalidade presencial, exclusivas para educadores das redes públicas que não possuem formação superior na área onde atuam, conforme exigência da Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB).
A Plataforma Freire, espaço criado no portal do Ministério da Educação para informar os professores sobre cursos especiais, traz orientações, o calendário do Parfor, as instituições participantes, as vagas.

Fonte:
Ministério da Educação

sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

Sisu: candidatos já podem consultar vagas para primeira edição de 2015

Já está disponível, na internet, a consulta pública às vagas da primeira edição de 2015 do Sistema de Seleção Unificada (Sisu). Serão ofertadas 205.514 vagas, em 5.631 cursos de 128 instituições públicas de educação superior. As inscrições serão abertas no dia 19 próximo. O prazo vai até às 23h59 do dia 22.
A inscrição estará restrita ao estudante que tenha participado da edição de 2014 do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Fica impedido de se inscrever aquele que tenha tirado zero na prova de redação. O resultado do Enem será divulgado na terça-feira, 13, também on-line.
Do total de 63 universidades federais, 59 participam do Sisu neste primeiro semestre. Todos os 38 institutos federais de educação, ciência e tecnologia e os dois centros federais de educação tecnológica (Cefet) oferecem vagas pelo sistema.
Em comparação com a edição de janeiro de 2014, houve crescimento de 11% no número de instituições participantes, 20% no de vagas ofertadas e 19% no de cursos com oferta de vagas. Na primeira edição de 2014, foram ofertadas 171.401 vagas em 4.723 cursos de 115 instituições, conforme a tabela:


Houve ainda aumento no número de vagas no curso de medicina — de 2.925 na primeira edição de 2014 para 3.758 no mesmo período de 2015, o que representa crescimento de 28%. Os cursos de engenharia também tiveram ampliação na oferta de vagas de um ano para o outro, ao passar 25.128 em 2014 para 30.749 em 2015, com crescimento de 22%.
Cotas — A reserva de vagas conforme a Lei de Cotas (Lei nº 12.711, de 29 de agosto de 2012) é implementada gradualmente (12,5% a cada ano, desde 2013), até alcançar o percentual de 50% em 2016. Este ano, o percentual mínimo a ser reservado pelas instituições para os estudantes de escola pública é de 37,5%. No entanto, do total de 99 instituições federais participantes do sistema (59 universidades e 40 instituições de educação profissional), 68 já reservam 50% ou mais para egressos de escolas públicas.
As inscrições serão feitas na página do Sisu na internet.
Fonte: Assessoria de Comunicação Social

quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

Aluna brasileira vence projeto de ideias inovadoras da Universidade de Harvard



Com apenas 19 anos, a estudante Georgia Gabriela Sampaio se destacou no fim do ano passado ao vencer projeto de ideias inovadoras, da Universidade de Harvard. A baiana de Feira de Santana foi até os Estados Unidos para apresentar um projeto sobre endometriose. A proposta de Georgia é criar um kit para fazer o diagnóstico da doença de forma mais rápida e simples.
Georgia se interessou pela doença há três anos, quando uma tia teve endometriose e precisou retirar o útero. “O caso dela foi complicado porque ela passou muito tempo sem saber que estava com a doença e chegou ao nível grave, e teve que tirar o útero. É uma doença que as pessoas conhecem pouco. O diagnóstico final é muito caro e o inicial é ineficiente. A ideia desse diagnóstico é apontar para a mulher que a dor que ela sente pode ser uma doença muito grave”, explica a estudante. A doença atinge de 10% a 15% das mulheres que estão em idade reprodutiva e, além de provocar dores fortíssimas, pode causar a infertilidade.
Ela começou a fazer pesquisas, conversar com professores e acabou recebendo a ajuda de um pesquisador da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Foi quando surgiu a oportunidade de se inscrever no programa criado pela Harvard que incentiva projetos de inovação social, desenvolvidos por jovens de todo o mundo, que possam ter impacto na comunidade onde vivem. Georgia atua em trabalhos voluntários em sua comunidade desde os 12 anos, realizando doações para crianças carentes.
Para ela, seu sonho é ver seu projeto sendo usado nos hospitais públicos brasileiros. “Se você produzir um artigo científico e apresentar para a Fiocruz, e eles conseguirem produzir um protótipo da sua ideia, ela pode ser implementada em toda a saúde brasileira. O que seria muito positivo, pois estaria à disposição da população. Meu alvo é esse, colocar o diagnóstico de endometriose no SUS”, acredita Georgia.

fonte: blog do planalto

terça-feira, 13 de janeiro de 2015

Tabela do seguro-desemprego

O Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) divulgou a tabela do seguro-desemprego que vigora a partir de 11 de janeiro. O reajuste segue as recomendações da Resolução do Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador (Codefat) Nº 707, de 10 de janeiro de 2013.

O Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) divulgou a tabela do seguro-desemprego que vigora a partir de 11 de janeiro. O reajuste segue as recomendações da Resolução do Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador (Codefat) Nº 707, de 10 de janeiro de 2013.

De acordo com a Resolução, a partir de 2013 os reajustes das faixas salariais acima do salário mínimo observarão a variação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), calculado e divulgado pela Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), acumulada nos doze meses anteriores ao mês de reajuste.

O valor máximo da parcela do benefício alcança, em 2015, R$ 1.385,91. O valor do benefício não poderá ser inferior ao valor do Salário Mínimo atual.
Tabela para cálculo do benefício
Calcula-se o valor do Salário Médio dos últimos três meses anteriores a dispensa e aplica-se a fórmula abaixo:
FAIXAS DE SALÁRIO MÉDIO
VALOR DA PARCELA
Até R$ 1.222,77
Multiplica-se o salário médio 0.8 (80%).
De R$ 1.222,78

Até R$ 2.038,15
O que exceder a R$ 1.222,77 multiplica-se por
0,5 (50%) e soma-se a R$ 978,22.
Acima de R$ 2.038,15
O valor da parcela será de R$ 1.385,91
invariavelmente.










Assessoria de Imprensa/MTE
(61) 2031-6537/2430 – acs@mte.gov.br