segunda-feira, 1 de setembro de 2014

Meninas recebem segunda dose da HPV


.

Meninas de 11 a 13 anos que já receberam a primeira dose da vacina contra o papiloma vírus humano (HPV) devem receber, a partir de hoje (1º), a segunda dose. A imunização será feita em escolas públicas e particulares e também em unidades de saúde.

De acordo com o Ministério da Saúde, mais de 4,3 milhões de meninas nessa faixa etária já receberam a primeira dose em março deste ano. A segunda é essencial para garantir a proteção contra o HPV.

A vacina protege contra quatro subtipos do HPV (6, 11, 16 e 18). Os subtipos 16 e 18 são responsáveis por 70% dos casos de câncer de colo de útero, enquanto os subtipos 6 e 11 respondem por 90% das verrugas anogenitais.

Meninas que ainda não tomaram a primeira dose também podem procurar os postos de saúde. Para receber a segunda, basta apresentar o cartão de vacinação ou documento de identificação. A terceira dose será aplicada cinco anos após a primeira.

Em 2015, a vacina será oferecida para meninas de 9 a 11 anos e, em 2016, para meninas de 9 anos. O ministério reforçou a importância do uso do preservativo como proteção contra as demais doenças sexualmente transmissíveis e da realização do exame conhecido como papanicolau em mulheres a partir dos 25 anos.

O HPV é um vírus transmitido pelo contato direto com a pele ou mucosas infectadas por meio de relação sexual. Ele também pode ser transmitido da mãe para o filho no momento do parto. Estimativas da Organização Mundial da Saúde indicam que 290 milhões de mulheres em todo o mundo estão infectadas, sendo 32% delas pelos subtipos 16 e 18.

Em relação ao câncer de colo de útero, estudos apontam que 270 mil mulheres no mundo vivem com a doença. No Brasil, o Instituto Nacional do Câncer estima o surgimento de 15 mil novos casos este ano.


Fonte EBC

sexta-feira, 29 de agosto de 2014

Procuradoria quer cassação de candidatura de Garotinho

A Procuradoria Regional Eleitoral no Rio de Janeiro propôs ação contra quatro políticos do Partido da República (PR) por abuso de poder político e econômico cometido num evento em junho em Duque de Caxias. Os réus são os vereadores locais Serginho Corrêa (candidato a deputado federal) e Dr. Maurício (cand. deputado estadual), o deputado federal Anthony Garotinho (cand. governador) e o vereador no Rio de Janeiro Márcio Garcia (cand. vice-governador). Na ação, a PRE pede que os quatro sejam punidos com a inelegibilidade por oito anos (até a eleição de 2022) e com a cassação dos registros de candidatura, seguindo a lei atualizada pela LC 135/2010 (Lei da Ficha Limpa).

Na ação de investigação judicial eleitoral, a PRE relata que fiscais do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) impediram o evento após constatar diversas irregularidades numa reunião política no ginásio esportivo do Clube dos 500. Entre as apreensões feitas pela equipe do TRE, havia um ofício do vereador Serginho, 1º secretário da Câmara Municipal, pedindo ônibus destinados ao transporte de eleitores ao evento. Convites virtuais e outros registros na internet também são citados como provas da irregularidade numa “reunião com o nosso futuro governador Garotinho”, nos termos do convite.

Para a procuradora regional eleitoral substituta Adriana Farias, autora da ação, o abuso do poder econômico fica caracterizado pelas quantias investidas no evento, como os aluguéis do ginásio, de dez ônibus e do sistema de som. Os gastos conhecidos nessas locações e na compra de 200 fardos de água (uma dúzia de garrafas, cada) atingem R$ 8.960. A investigação do TRE apontou ainda que cada participante receberia R$ 30, sendo que o público que compareceu foi estimado em mais de duas mil pessoas.

Fonte: Assessoria

quinta-feira, 28 de agosto de 2014

Mais do mesmo: Justiça apreende material do PR



RIO - Oitenta fiscais do Tribunal Regional Eleitoral do Rio (TRE-RJ) entraram nesta quarta-feira no Complexo da Maré, Zona Norte da cidade, e apreenderam material de campanha do deputado Anthony Garotinho (PR) e de Clarissa Garotinho (PR), candidata a deputada federal.
Além de cinco mil panfletos do ex-governador e de Clarissa, foram encontrados cerca de duzentos formulários do Cheque Cidadão — programa da gestão Garotinho e que funciona também na prefeitura de Campos, comandada por Rosinha Garotinho —, dois mil exemplares do informativo Palavra de Paz, uma das publicações da empresa homônima, comandada pelo deputado, cem caixas de amostras grátis de remédios, lista de entregas de cestas básicas, cronograma da equipe de campanha de Garotinho, Clarissa e do candidato a deputado estadual Guiga (PR), além de cem adesivos dos candidatos.
Nesta segunda-feira, depois de O GLOBO denunciar que o Centro Cultural Garotinho, em Campos dos Goytacazes, interior do Rio, era usado para distribuição de enxovais para bebês pelo candidato, o que é proibido por lei, o TRE fechou o centro cultural.
O TRE apreendeu, ainda, oito faixas com ataques ao governador Luiz Fernando Pezão (PMDB), ao candidato a deputado federal Pedro Paulo (PMDB) e ao prefeito Eduardo Paes (PMDB), além de três computadores e R$ 800 em espécie.
As apreensões foram feitas no conselho dos moradores da Vila Ipiranga, Salsa e Merengue e Marrocos, suspeito de atuar como centro social. A operação teve apoio do Exército e de fuzileiros navais que ocupam o complexo de favelas. Circulando pelo local, o TRE também apreendeu uma tonelada de placas irregulares. Em Vila dos Pinheiros, a maioria das placas encontradas eram dos candidatos Gérson Bergher (PSDB) e Del (PSDC), além de Garotinho e Clarissa.

O Globo

Marcão relata caos na saúde e cobra melhorias

Com orçamento bilionário, a cidade de Campos faz pouco caso com a saúde de seus moradores. Vereador Marcão usou a Tribuna da Câmara para relatar caos e cobrar melhorias urgentes nos serviços prestados. Sessão de 27-08-2014
Confira:

terça-feira, 26 de agosto de 2014

Marcão destaca conquista para servidor público municipal através da Lei Orgânica

Depois de 545 dias de trabalho, intensos debates em reuniões, audiências públicas, comissões temáticas e fóruns de discussão com representantes da sociedade civil, enfim, a Lei Orgânica Municipal (LOM) foi promulgada na Câmara Municipal nesta terça-feira (26), numa sessão solene recheada de simbolismos com a presença de autoridades e convidados. O diploma legal que representa o conjunto maior de leis do Município, conta com 315 artigos e nove capítulos.

Entre outras atuações, o vereador Marcão destaca a conquista para os servidores do município de Campos, pois através de emenda de sua autoria, esses trabalhadores poderão optar em gozar a licença prêmio em pleno exercício de suas atividades e receber em dinheiro o benefício. 


Confira!!!



Sobre a Lei Orgânica

As câmaras de vereadores são, no Brasil, mais antigas do que o Congresso e as Assembleias Legislativas. A primeira delas foi instalada por Martin Afonso de Souza na capitania hereditária de São Vicente, em 1532, e ficou conhecida como “Câmara Vicentina”. Hoje em dia, nós os vereadores legislando fazemos a ponte entre os anseios da população e o prefeito, além de fiscalizar o trabalho do Executivo.

Durante o período proposto para promulgação de nossa nova Lei Orgânica – uma espécie de “Constituição Municipal”, com as diretrizes que devem ser seguidas pelos Poderes Executivo e Legislativo e também pelos moradores de nossa amada cidade, promovemos encontros, reuniões e discussões onde recebemos uma série de sugestões e ouvimos diversos depoimentos por parte da população, que participou desde o início ativamente da elaboração do projeto de lei que agora aprovado se transforma na maior Lei de nosso Município.

Esses encontros foram importantes, pois estávamos discutindo a maior Lei do município que promove diretrizes e princípios regendo todas as áreas, desde educação, saúde, desenvolvimento, meio ambiente, indústria, comércio, enfim todos os temas constantes em nosso cotidiano e que envolve toda a população do nosso município.

A nova Lei Orgânica oferece ao município instrumentos legais capazes de enfrentar as grandes transformações pelas quais a cidade passa. Nela está contida os princípios  básicos que norteiam a vida da sociedade local, visando o bem-estar social, o progresso e o desenvolvimento de todo o município.

Nesta seara após ouvir as orientações emanadas do povo e da sociedade civil organizada através de nosso mandato propusemos inserções em nossa nova Lei Orgânica, especialmente nos capítulos que tratam dos servidores públicos, educação, cultura e pessoas portadoras de necessidades especiais.

A oportunidade de exercer uma função de legislador constituinte originário, cujo poder se debruça no rompimento de uma estrutura jurídica até então existente, promove a oportunidade de inserir na Carta Magna Municipal questões imprescindíveis à sociedade brasileira, em especial a população de Campos dos Goytacazes, como forma de atender os anseios de uma sociedade contemporânea, adequando o texto normativo à realidade atual do município.

Dessa forma, a atuação parlamentar não só se demonstra como uma virtude, que se traduz na participação em um processo legislativo desta estirpe, como também  em um ônus, cuja atuação está diretamente ligada a atender as demandas de nossa população que me confiou o mandato de os representar junto a esta Casa de Leis.

Dessa forma, o peso de retribuir a confiança depositada pela população, se caracterizou com um diferencial motivador, que impulsionou os trabalhos realizados pelos parlamentares, que a todo momento trabalhou com toda a seriedade que a função exigia.

Agradeço a Deus e ao povo de nosso município por ter me ofertado esta possibilidade de participar de um momento tão importante na história do município de Campos dos Goytacazes.


Vereador Marcus Welber Gomes da Silva ( Marcão Gomes)

Sessão Solene para Lei Orgânica de Campos


A Nova Lei Orgânica Municipal (LOM) de Campos dos Goytacazes, vai ser promulgada nesta terça-feira (26), em sessão solene da Câmara de Vereadores, às 17h. A Lei Orgânica Municipal é a principal norma de uma cidade. Ela define a forma como a prefeitura vai investir os recursos públicos em saúde, transporte público e educação, por exemplo. Há 24 anos, a de Campos não passava por uma reforma.

Entre as mudanças está a definição dos avanços importantes na educação, como a implantação gradual do ensino em tempo integral na rede pública, bem como a proposta específica de ensino para a zona rural levando-se em conta as peculiaridades de cada região.

A lei prevê também que os princípios da Lei da Ficha Limpa serão aplicados para ocupantes de cargos na administração municipal. No capítulo das disposições transitórias, a LOM explicita que "fica vedada a nomeação para qualquer cargo de provimento em comissão no âmbito da administração do poder executivo e do poder legislativo de quem tenha sido condenado pela prática de situações que configurem hipóteses de inelegibilidade".

Outro capítulo diz respeito ao controle social sobre as empresas concessionárias de serviços públicos. De acordo com o texto, anualmente, as concessionárias de serviços públicos deverão apresentar balancetes ao legislativo, em audiência pública, com a participação dos usuários, relatório que evidencie a eficiência e a qualidade dos serviços prestados à população, sendo o mesmo votado pelos vereadores. Em caso de reprovação, os vereadores recomendarão ao executivo a adoção de providências.

do G1